domingo, 31 de maio de 2009

A última tentação do monge (Uma fábula Nô)
























Havia um lago, um mestre e um monge. Os aviões aterrissavam em pistas de gelatina. Havia uma serpente gulosa, devoradora de maçãs. E havia uma linda mulher, que estava sempre chapada de LSD.

O mestre disse ao monge para não beber da água verde-jade daquele lago. Estava contaminada.

Ambos caminharam dias e noites pelas colinas que rodeavam o lago. Sol escaldante e lua fria. Leve farfalhar de leques. Neve de papel picado.

A serpente disse ao monge que o mestre estava mentindo. As águas eram límpidas e a mulher banhava-se todas as tardes em seu leito.

O monge cortou a serpente ao meio com sua espada.

Agora, eram duas serpentes.

A areia bebeu as últimas gotas de água do cantil e os cactos mudaram-se para outro deserto, a milhas e milhas. O monge resistiu à tentação das serpentes. E a linda mulher ofereceu o leite dos seus seios e as macieiras derramaram seus frutos na areia. Mas o monge mirava em silêncio o mestre impávido em posição de lótus. Dia após dia, o mestre parecia uma caligrafia cada vez mais apagada. O monge firmava os olhos com dificuldade para enxergar a silhueta esvoaçante, emoldurada pelo manto azul-pálido.

A mulher tentou convencê-lo a beber o leite dos seus seios. As duas serpentes trouxeram cestas cheias de maçãs.

O mestre se apagava mais e mais aos olhos do monge. Uma folha de papel de arroz, pálida, quase transparente, um bloco de vidro sem reflexos.

Quando o monge tombou na areia, a mulher chorou e o mestre bebeu suas lágrimas. Depois, mergulhou nas águas verde-jade do lago.

Agora, eram dois mestres.

Ademir Assunção

in Conto até dez.

Conto até dez

Conto até Dez
Dez anos
Dez contos
Dez autores

Conto até dez é uma antologia organizada por Marcelino Freire. Com o mote/desafio provocativo de fazerem os escritores utilizarem por tema o número "dez". Por isso o título: a presença lapidar de dez autores novíssimos e talentosos, dez narrativas curtas, lançamento realizado para comemorar dez anos de existência da Ateliê Editorial, uma das poucas editoras brasileiras com coragem de lançar autores com linguagem e temática contemporânea, provocativa e experimetal, deixando na rabeira editoras que exploram múmias e/ou dedicadas a autores "consagrados" ou "mortos" (muitas vezes pura necrofilia, pois muitos dos "consagrados" estão na fase de decadência, em queda-livre quanto a vigor narrativo e originalidade). Recorto e colo aqui o conto de abertura, não sei se o melhor, estou dividido também entre "Dez anos", de Ivana Arruda Leite e conto futebolístico "O Dez e os Outros Dez", de Gil Perini, no mínimo, duas obras primas do conto moderno/contemporâneo, o que vem a confirmar que o "mote", ressuscitado aqui pelo encapetado Marcelino Freire, não perdeu a força de desafio desde os tempos e voltas realizadas por Camões.

Autores

Ademir Assunção - A última tentação do mogne (Uma fábula nô)
Bruno Zeni - Vida de rua, manto da noite, placenta rompida da manhã
Gil Perini - O Dez e os outros dez
Ivana Arruda Leite - Dez anos
Márcia Denser - Horizontes
Moacyr Godoy Moreira - Gripe espanhola
Nelson de Oliveira - O fantsama da máqiuna
Paulo Franchetti - Encontro
Paulo Ribeiro - O décimo mês ou A sublime arte de manter os porcos batizados
Rodrigo de Faria e Silva - O menino em branco

Organizado por Marcelino Freire

Conto até dez. Vários autores. Cotia, SP, Ateliê Editorial, 2005.

segunda-feira, 25 de maio de 2009

FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ

Pós-graduação - Estudos Linguísticos e Literários


FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ.2009

domingo, 24 de maio de 2009

IVANA ARRUDA LEITE

A VERDADEIRA TRAGÉDIA


Jamais esquecerei aquele 11 de setembro. Quando acordei, estranhei que Hugo ainda estivesse em casa. Normalmente, ele já teria tomado banho, feito o café e saído para o trabalho. Mas não, ainda estava lá, sentado na sala, de camisa esporte.
- Precisamos conversar – ele disse.
- Fala – respondi com a boca seca.
- Eu estou indo embora.
Sem querer ouvir o resto, levantei-me e fui à cozinha. Debrucei-me sobre a pia com o corpo tremendo. Pensei em pegar uma faca.
- A chave está na mesinha – ele disse lá da sala.
Foi a última vez que ouvi sua voz. Soube depois que, nesse mesmo dia, aconteceu um acidente terrível em Tóquio ou Nova Iorque. Um avião egípcio bateu numa torre e derrubou uma antena de televisão. Não sei direito como foi a tragédia, mas duvido que tenha sido pior do que a minha.

Ivana Arruda Leite

Ao homem que não me quis

MARCELINO FREIRE

MARCELINO FREIRE



Para ler alguns contos de BaléRalé, clicar aqui.
Para ler alguns contos de Angu de sangue, clicar aqui

FALO DE MULHER



Ivana Arruda Leite

Para ler, alguns textos deste livro estão diponíveis no book.google:

Clique no título desta postagem ou aqui.

RUBEM FONSECA





















Contos:

"Feliz ano novo"
"O cobrador"
"O outro"
"Entrevista"
"Passeio noturno"

A arquitextura do estranho na obra de Rubem Fonseca: contos

Os contos "Entrevista", "O gravador" e "Lúcia McCartney", obras que fazem parte do livro Contos Reunidos, de Rubem Fonseca (2000), apresentam uma estrutura composicional que subverte as fronteiras dos gêneros literários ao se apropriar de diferentes linguagens e discursos midiáticos. Este trabalho teve como propósito apresentar uma leitura desses contos com base na hipótese inicial de que essas linguagens em conexão com o sistema literário problematizam a feição da contística fonsequiana, atribuindo-lhe um caráter meta-artístico. Em "Entrevista", o modus operandi do sistema literário apropria-se do discurso jornalístico e teatral em relação, propondo a confluência dessas linguagens como fator propício à estilização das seguintes categorias narrativas: narrador, personagem e cronotopia. Em "O gravador", observou-se a emergência de uma linguagem-suporte, a virtual, em interface com as linguagens publicitária, teatral; e em "Lúcia McCartney", verificou-se a predominância do hipertexto como elemento estruturante da fragmentação e corporificação performática da linguagem literária. A intersecção desses diferentes gêneros discursivos gera o hibridismo do discurso literário e erige como resultado uma arquitextura do estranho no corpus analisado.

Abstract da dissertação:  A arquitextura do estranho na obra de Rubem Fonseca. 
Tese de Nelma Aronia Santos.

Disponível para download:
Location http://www.sapientia.pucsp.br//tde_busca/arquivo.php?codArquivo=2567

PASSEIO NOTURNO

Cheguei em casa carregando a pasta cheia de papéis, relatórios, estudos, pesquisas, propostas, contratos. Minha mulher, jogando paciência na cama, um copo de uísque na mesa de cabeceira, disse, sem tirar os olhos das cartas, você está com um ar cansado. Os sons da casa: minha filha no quarto dela treinando impostação de voz, a música quadrifônica do quarto do meu filho. Você não vai largar essa mala?, perguntou minha mulher, tira essa roupa, bebe um uisquinho, você precisa aprender a relaxar.

Fui para a biblioteca, o lugar da casa onde gostava de ficar isolado e como sempre não fiz nada. Abri o volume de pesquisas sobre a mesa, não via as letras e números, eu esperava apenas. Você não pára de trabalhar, aposto que os teus sócios não trabalham nem a metade e ganham a mesma coisa, entrou a minha mulher na sala com o copo na mão, já posso mandar servir o jantar?

A copeira servia à francesa, meus filhos tinham crescido, eu e a minha mulher estávamos gordos. É aquele vinho que você gosta, ela estalou a língua com prazer. Meu filho me pediu dinheiro quando estávamos no cafezinho, minha filha me pediu dinheiro na hora do licor. Minha mulher nada pediu, nós tínhamos conta bancária conjunta.Vamos dar uma volta de carro?, convidei. Eu sabia que ela não ia, era hora da novela. Não sei que graça você acha em passear de carro todas as noites, também aquele carro custou uma fortuna, tem que ser usado, eu é que cada vez me apego menos aos bens materiais, minha mulher respondeu.

Os carros dos meninos bloqueavam a porta da garagem, impedindo que eu tirasse o meu. Tirei os carros dos dois, botei na rua, tirei o meu, botei na rua, coloquei os dois carros novamente na garagem, fechei a porta, essas manobras todas me deixaram levemente irritado, mas ao ver os pára-choques salientes do meu carro, o reforço especial duplo de aço cromado, senti o coração bater apressado de euforia. Enfiei a chave na ignição, era um motor poderoso que gerava a sua força em silêncio, escondido no capô aerodinâmico. Saí, como sempre sem saber para onde ir, tinha que ser uma rua deserta, nesta cidade que tem mais gente do que moscas. Na avenida Brasil, ali não podia ser, muito movimento. Cheguei numa rua mal iluminada, cheia de árvores escuras, o lugar ideal. Homem ou mulher? Realmente não fazia grande diferença, mas não aparecia ninguém em condições, comecei a ficar tenso, isso sempre acontecia, eu até gostava, o alívio era maior. Então vi a mulher, podia ser ela, ainda que mulher fosse menos emocionante, por ser mais fácil. Ela caminhava apressadamente, carregando um embrulho de papel ordinário, coisas de padaria ou de quitanda, estava de saia e blusa, andava depressa, havia árvores na calçada, de vinte em vinte metros, um interessante problema a exigir uma grande dose de perícia. Apaguei as luzes do carro e acelerei. Ela só percebeu que eu ia para cima dela quando ouviu o som da borracha dos pneus batendo no meio-fio. Peguei a mulher acima dos joelhos, bem no meio das duas pernas, um pouco mais sobre a esquerda, um golpe perfeito, ouvi o barulho do impacto partindo os dois ossões, dei uma guinada rápida para a esquerda, passei como um foguete rente a uma das árvores e deslizei com os pneus cantando, de volta para o asfalto. Motor bom, o meu, ia de zero a cem quilômetros em nove segundos. Ainda deu para ver que o corpo todo desengonçado da mulher havia ido parar, colorido de sangue, em cima de um muro, desses baixinhos de casa de subúrbio.

Examinei o carro na garagem. Corri orgulhosamente a mão de leve pelos pára-lamas, os pára-choques sem marca. Poucas pessoas, no mundo inteiro, igualavam a minha habilidade no uso daquelas máquinas.

A família estava vendo televisão. Deu a sua voltinha, agora está mais calmo?, perguntou minha mulher, deitada no sofá, olhando fixamente o vídeo. Vou dormir, boa noite para todos, respondi, amanhã vou ter um dia terrível na companhia.

Rubem Fonseca 

Contos reunidos

DALTON TREVISAN



DOIS VELHINHOS

Dois pobres inválidos, bem velhinhos, esquecidos numa cela de asilo.

Ao lado da janela, retorcendo os aleijões e esticando a cabeça, apenas um podia olhar lá fora.

Junto à porta, no fundo da cama, o outro espiava a parede úmida, o crucifixo negro, as moscas no fio de luz. Com inveja, perguntava o que acontecia. Deslumbrado, anunciava o primeiro:

— Um cachorro ergue a perninha no poste.

Mais tarde:

— Uma menina de vestido branco pulando corda.

Ou ainda:

— Agora é um enterro de luxo.

Sem nada ver, o amigo remordia-se no seu canto. O mais velho acabou morrendo, para alegria do segundo, instalado afinal debaixo da janela.

Não dormiu, antegozando a manhã. Bem desconfiava que o outro não revelava tudo.

Cochilou um instante — era dia. Sentou-se na cama, com dores espichou o pescoço: entre os muros em ruína, ali no beco, um monte de lixo.

Dalton Trevisan


Mistérios de Curitiba. Editora Record — Rio de Janeiro, 1979, p. 110.

APELO

Amanhã faz um mês que a Senhora está longe de casa. Primeiros dias, para dizer a verdade, não senti falta, bom chegar tarde, esquecido na conversa de esquina. Não foi ausência por uma semana: o batom ainda no lenço, o prato na mesa por engano, a imagem de relance no espelho.

Com os dias, Senhora, o leite primeira vez coalhou. A notícia de sua perda veio aos poucos: a pilha de jornais ali no chão, ninguém os guardou debaixo da escada. Toda a casa era um corredor deserto, até o canário ficou mudo. Não dar parte de fraco, ah, Senhora, fui beber com os amigos. Uma hora da noite eles se iam. Ficava só, sem o perdão de sua presença, última luz na varanda, a todas as aflições do dia.

Sentia falta da pequena briga pelo sal no tomate — meu jeito de querer bem. Acaso é saudade, Senhora? Às suas violetas, na janela, não lhes poupei água e elas murcham. Não tenho botão na camisa. Calço a meia furada. Que fim levou o saca-rolha? Nenhum de nós sabe, sem a Senhora, conversar com os outros: bocas raivosas mastigando. Venha para casa, Senhora, por favor.

Dalton Trevisan

Mistérios de Curitiba. Editora Record - Rio de Janeiro - 1979, p. 73.





HILDA HILST



sábado, 23 de maio de 2009

VICIOSO KADEK

Pensava farto, pastoso, às vezes em trechos alongados: se às Tuas costas, meu Deus, eu pudesse me fazer, apagar a Tua imagem e de cima de um todo-mim entender minha completa potencialidade desde o meu existir. Menos farto: igual a todos eu queria ser se pudesse, atuar como todos. Pensava bonito: pedra sob lua baça. O meu amor no teu que passa. Colinas, pássaros, teu momento, meu passo. Gasoso Kadek, olhando através da testa dos outros, por isso todos se riam cada vez que olhava pensante, cada vez que bebia como todos o branco-alegria nacional, pinguço se fazia como todos, e delicado um entender de dentro de boca mole mas muito prudente soletrava: assim tu morre, Kadek, pinguço e pobre como todos, igualzinho sim.

Antes matemático, psicólogo, espiou a curva de Moebius muitos anos, viveu prensado nela, horas pensando, também eu não tenho lado de dentro e de fora, e depois: tenho?

Quis arredondar-se, grão, e não escurecer com a palavra seu estar aqui, gargalhada de todos quando passava, foi ouvindo e alguma vez tentou anotações futuras sobre a metafísica da risada: riem-se porque Kadek estando aqui, passando, pensa também, e alguma coisa à sua volta se enche de brilhos, de luminescências, estilhaços, e passo fosforescente entre as gentes do bar. Se me perguntam Kadek, tu passa e não diz nada? Respondo tentando não pensar: eu te devoro o mundo se me deres um revolver mudo. Risadas. Ou isto: só subi a montanha porque desejava tua impossível cama. Risadas. Ou isto: somos ateus com Deus. Muitas risadas. Pensava summum malum é esse meu viver pensante, essa pedantocracia, esse estético vazio, ético tentou atos políticos, ético Kadek redimensionando “a coisa”, chupava de Sartre “a coisa”, mas dizia: digo coisa para não dizer lixo, ditadura, então minha gente, “a coisa” corrói, empedra, suja, embrutece, suprime, lixa tua criatividade, adormece, ensombra, letargiante corrosiva coisa, te arranca a alma, senhores senhoras “a coisa”...

Pegou dez anos e seis meses, muita enrabação, muita pancada, toma aí pestilento, a coisa é isso aqui, e a rodela de Kadek estremecia eletrizada, os bagos finos pendiam agora inchados, matemático é? repete aí dois mais dois é vinte e quatro. Repetia. Vício foi se fazendo de só ser comido pelos rombudos de farda, os botões duros cutucando-lhe as nádegas, mas nem por isso largou o outro vício de pensar beleza, de relembrar: é melhor estar sentado do que de pé, deitado do que sentado, morto do que deitado.

Todo Zen, Kadek desejou que a morte viesse, esfarrapada, bêbada, patível o mais possível, ao lado, um louco, lhe dissesse: chi, Kadek, tu não morre, ta difícil. Foi deitando amortado, o olho tentando o além outro lado, pediu a Jesus que não lhe surgissem palavras, que morresse muito ético, nada estético, olhou o de cima cinzento sem nuvens, nem gaviões, nem pardais, pensou perfeito para a morte de mim, a cabeça virou quase encostada ao ombro, viu bosta de gente a um metro do seu corpo, repetiu: obrigado Jesus, mais que perfeito para a morte de mim, deitado pobre anônimo agora no esturricado capim, muito igualzinho a muitos, ia dizer infindáveis obrigado quando o olhar subiu para o cinzento sem nuvens outra vez, e viu o pássaro. Trincou a língua para não dizer beleza, adelgaçou a vida, mas encolhido poetou entre babas: alado e ocre pássaro da morte. Totalmente diferenciado, então morreu.

 Hilda Hilst


Ficções, Ed. Quiron, São paulo, 1977. ( pp. 21-22).

GESTALT

Absorto, centrado no nó das trigonometrias, meditando múltiplos quadriláteros, centrado ele mesmo no quadrado do quarto, as superfícies e cal, os triângulos de acrílico, suspenso no espaço por uns fios finos os polígonos, Isaiah o matemático, sobrolho peluginoso, inquietou-se quando descobriu o porco. Escuro, mole, seu liso, nas coxas diminutos enrugados, existindo aos roncos, e em curtas corridas gordas, desajeitadas, o ser do porco estava ali. E porque o porco efetivamente estava ali, pensá-lo parecia lógico a Isaiah, e começou pensando spinosismos: “de coisas que nada tenham em comum entre si, uma não pode ser causa da outra.” Mas aos poucos, reolhando com apetência pensante, focinhez e escuros do porco, considerou inadequado para o seu próprio instante o Spinoza citado aí e cima, acercou-se, e de cócoras, de olho-agudez, ensaiou pequenas frases tortas, memorioso: se é que estás aqui, dentro da minha evidência, neste quarto, atuando na minha própria circunstância, e efetivamente estás e atuas, dize-me porque. Nas quatro patas um esticado muito teso, nos moles da garganta pequeninos ruídos gorgulhantes, o porco de Isaiah absteve-se de responder tais rigorismos, mas focinhou de Isaiah os sapatos, encostou nádegas e ancas com alguma timidez e quando o homem tentou alisá-lo como se faz aos gatos, aos cachorros, disparou outra vez num corre gordo, desajeitado, e de lá do outro canto novamente um esticado muito teso e pequeninos ruídos gorgulhantes. Bem, está aí. Milho, batatas, uma lata de água, e sinto muito o não haver terra para o teu mergulho mais fundo, de focinhez. Retomou algarismos, figuras, hipóteses, progressões, anotava seus cálculos com tinta roxa, cerimoniosa, canônica, limpo bispal Isaiah limpou dejetos do porco, muito sóbrio, humildoso, sóbrio agora também o porco um pouco triste estragando-se nos cantos, um agrado-ternura nos dois olhos, e por isso Isaiah lembrou-se de si mesmo, menino, e do lamento do pai olhando-o: immer krank, parece, immer krank, sempre doente parece, sempre doente, é o que pai dizia na sua língua. É doença não é Hilde? Hilde sua mãe, sorria. Ach nein, é pequeno, é criança, e quando ainda somos assim, sempre de alguma coisa temos medo, não é doença Karl, é medo. Isaiah foi adoçando a voz, vou te dar um nome, vem aqui, não te farei mais perguntas, vem, e ele veio, o porco, a anca tremulosa roçou as canelas de Isaiah, Isaiah agarrou-se, redondo de afago foi amornando a lisura do couro, e mimos e falas, e então descobriu que era uma porca o porco. Devo dizer-lhes que em contentamento conviveu com Hilde a vida inteira. Deu-lhe o nome da mãe em homenagem àquela frase remota: sempre de alguma coisa temos medo. E na manha de um domingo celebrou esponsais. Um parênteses devo me permitir antes de terminar: Isaiah foi plena, visceral, lindamente feliz. Hilde também.

Hilda Hilst

Ficções ("Pequenos discursos e um grande"), Ed. Quíron, São Paulo, 1977. (pp. 6-7).

TEOLOGIA NATURAL

A cara do futuro ele não via. A vida, arremedo de nada. Então ficou pensando em ocos de cara, cegueira, mão corroida e pés, tudo seria comido pelo sal, brancura esticada da maldita, salgadura danada, infernosa salina, pensou óculos luvas galochas, ficou pensando vender o que, Tiô inteiro afundado numa cintilância, carne de sol era ele, seco salgado espichado, e a cara-carne do futuro onde é que estava? Sonhava-se adoçado, corpo de melaço, melhorança se conseguisse comprar os apetrechos, vende uma coisa, Tiô. Que coisa? Na cidade tem gente que compra até bosta embrulhada, se levasse concha, ostra, ah mas o pé não agüentava o dia inteiro na salina e ainda de noite à beira d'água salgada, no crespo da pedra, nas facas onde moravam as ostras. Entrou em casa. Secura, vaziez, num canto ela espiava e roia uns duros no molhado da boca, não era uma rata não, era tudo o que Tiô possuía, espiando agora os singulares atos do filho, Tiô encharcando uns trapos, enchendo as mãos de cinza, se eu te esfrego direito tu branqueia um pouco e fica linda, te vendo lá, e um dia te compro de novo, macieza na língua foi falando espaçado, sem ganchos, te vendo, agora as costas, vira, agora limpa tu mesma a barriga, eu me viro e tu esfrega os teus meios, enquanto limpas teu fundo pego um punhado de amoras, agora chega, espalhamos com cuidado essa massa vermelha na tua cara, na bochecha, no beiço, te estica mais pra esconder a corcova, óculos luvas galochas é tudo o que eu preciso, se compram tudo devem comprar a ti lá na cidade, depois te busco, e espanadas, cuidados, sopros no franzido da cara, nos cabelos, volteando a velha, examinando-a como faria exímio conhecedor de mães, sonhado comprador, Tiô amarrou às costas numas cordas velhas, tudo o que possuía, muda, pequena, delicada, um tico de mãe, e sorria muito enquanto caminhava.

Hilda Hilst

Ficções, ("Pequenos Discursos. E um Grande") São Paulo, Quíron, 1977.

Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea

Estudando os contistas pós-utopicos ou as novas formas
da Literatura Brasileira.

Seguidores