quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Fernando Bonassi


sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Contos de Amor Rasgados

Marina Colasanti escreve sobre a condição de ser mulher. Em Contos de Amor Rasgados, um aspecto do feminino sempre vem à tona: o poder e a força latente da mulher. O universo feminino é abordado em vários aspectos, como no relacionamento homem e mulher no conto "Até que a palavra fosse possível", e no ambiente doméstico em "A honra passada a limpo". Em seu texto há um tom de denúncia quando explora o paradigma social, perpetuado por gerações, da mulher submissa e domesticada pelo casamento como no trecho “mas sem tarefas domésticas, como preencher de feminina honradez a minha vida?” Sua escrita beira a narrativa fabular e tem passagens de puro surrealismo: “criava uma sereia na banheira”("De água nem tão doce")

Simei Cristina de Andrade de Mendonça

Literatura Brasileira Hoje - Manuel da Costa Pinto

Para quem se interessa por literatura contemporânea, aconselho a leitura do pequeno livro do crítico Manuel da Costa Pinto: Literatura Brasileira Hoje, Coleção Folha Explica.

Encontrei fuçando no google um link para o ebook deste em .doc ou .pdf, para quem deseja consultá-lo, clicar AQUI.




Sérgio Santanna, sobre Amor



"Este livro contém toda a minha minúscula produção literária, excetuando-se Sexo, publicado pelas Edições Cotovia no final de 2000.

Amor é meu primeiro livro. Acho que é um poema. Foi a partir dele que passaram a me considerar escritor, embora até hoje eu não acredite nisso e nem me conforme com isso. Mas o certo é que, ao ser considerado escritor, passei a receber pedidos de textos para algumas revistas, jornais, suplementos literários, etc. E todos os demais contos deste livro foram feitos sob encomenda. Até a publicação de Amor, no final de 1997, eu ainda tentava me tornar um músico razoável. Mas, quando percebi que os Rolling Stones nunca me convidariam para entrar na banda, e que algumas pessoas viam alguma qualidade nos meus textos, tive que me conformar com a literatura."

E literatura é um negócio muito chato de fazer. Tem que ter aquela disciplina insuportável, aquela solidão doentia, aquele diálogo egocêntrico consigo mesmo e mais um monte de angústias desnecessárias ao bem estar humano. Então, decidi escrever como se fizesse música, sem esquentar demais a cabeça, procurando me divertir ao máximo, trabalhando o mínimo. Espero que os leitores consigam tirar algum prazer na leitura desses contos e também possam lê-los como se ouvissem música, pois cada um deles tem melodia, harmonia e ritmo próprios, nos sentidos mais literais das palavras. Pelos menos, tentei.

Nota de Abertura

Mais informações, resenha e entrevista (Revista Rascunho), clique




sábado, 17 de outubro de 2009

De água nem tão doce

Criava uma sereia na banheira. Trabalho, não dava nenhum, só a aquisição de peixes com que se alimentava. Mansa desde pequena, quando colhida em rede de camarão, já estava treinada para o cotidiano da vida entre azulejos.
Cantava melopéias, a princípio. Que aos poucos, por influência do rádio que ele ouvia na sala, foi trocando por músicas de Roberto Carlos. Baixinho, porém, para não incomodar os vizinhos.
Assim se ocupava. E com os cabelos, agora pálido ouro, que trançava e destrançava sem fim. “Sempre achei que sereia era loura”, dissera ele um dia trazendo tinta e água oxigenada. E ela, sem sequer despedir-se dos negros cachos no reflexo da água da banheira, começara a passar o pincel.
Só uma vez, nos anos todos em que viveram juntos, ele a levou até a praia. De carro, as escamas da cauda escondidas debaixo de uma manta, no pescoço a coleira que havia comprado para prevenir um recrudescer do instinto. Baixou um pouco o vidro, que entrasse ar de maresia. Mas ela nem tentou fugir. Ligou o rádio, e ficou olhando as ondas, enquanto flocos de espuma caíam dos seus olhos.

Marina Colasanti





[Inspirado no conto "De água nem tão doce", de "Contos de Amor Rasgados", obra de Marina Colasanti. Criação e interpretação de Laura Virginia.]

NUNCA É TARDE, SEMPRE É TARDE

Conseguiu aprontar-se mas não teve tempo de guardar o material de maquiagem espalhado sobre a penteadeira. Olhou-se no espelho. Nem bonita, nem feia. Secretária. Sou uma secretária, pensou, procurando conscientizar-se. Não devo ser, no trabalho, nem bonita, nem feia. Devo me pintar, vestir-me bem, mas sem exagero. Beleza mesmo é pra fim-de-semana. Nem bonita, nem feia, disse consigo mesma. Concluiu que não havia tempo nem para o café. Cruzou a sala e o hall em disparada, na direção da porta de saída, ao mesmo tempo em que gritava para a mãe envolvida pelos vapores da cozinha, eu como alguma coisa lá mesmo. Sempre tal alguém com alguma bolachinha disponível. Café nunca falta. A mãe reclamou mais uma vez. Você acaba doente, Su. Assim não pode. Assim, não. Su, enlouquecida pela pressa, nada ouviu. Poucas vezes ouvia o que a mãe lhe dizia. Louca de pressa, ia sair, avançou a mão para a maçaneta da porta e assustou-se. A campainha tocou naquele exato momento. Quem haveria de ser àquela hora? A campainha era insistente. Algum dedo nervosos apertava-a sem tréguas. A campainha. Su acordou finalmente com o tilintar vibrante do despertar Westclox e se deu conta de que sequer havia se levantado. Raios. Tudo por fazer. Mesmo que acordasse em tempo, tinha sempre que correr, correr. Tinha tudo cronometrado, desde o levantar-se até o retoque do batom e o perfumezinho final. Exploit da Atkinsons. Perfume quente. Mais ou menos quente. Esqueceu onde havia deixado o relógio de pulso . Perambulou nervosamente pela casa procurando-o. Atrasou alguns preciosos minutos. A mãe achou-o sobre a mesinha do telefone. Su colocou-o no pulso. Viu as horas. Havia conseguido aprontar-se, mas não teve tempo de guardar o material de maquiagem espalhado sobre a penteadeira. Olhou-se no espelho. Nem bonita, nem feia, pensou duas vezes. Vou ficar bonita mesmo só no sábado. Não havia tempo nem para o café. Cruzou em disparada a sala e o hall, em direção à porta de saída, ao mesmo tempo em que gritava para a mãe, bolachinha disponível. Avançou a mão para a fechadura e assustou-se com o toque insistente da campainha. Algum dedo nervoso. O Westclox. Su acordou e deu-se conta mais uma vez da trágica e permanente verdade de que ainda não estava pronta(!) Levantou-se de um ímpeto. Correu ao banheiro, voltou do banheiro, vestiu-se com a roupa estrategicamente deixada sobre a cadeira na noite anterior. Ao sentar-se mais uma vez frente ao espelho, notou que, embora não tivesse ainda se pintado, o material de maquiagem já estava espalhado sobre a penteadeira. O batom aberto e usado, o Exploit desastradamente destampado, evaporando. O despertador tocou novamente. Ou tocou finalmente. E estava com toda corda, pois demorou a silenciar. Mesmo assim, Su andou pela casa toda, tentando desesperadamente acordar-se. Ocorreu afinal a idéia de pedir ajuda à mãe. Esta, envolvida pelos vapores da cozinha, mostrou-se compreensiva. Está bem, Su. Espere só um instantinho que eu vou lá no quarto te acordar.


Silvio Fiorani

Victor Giudice
























(1934-1997)

MICROCONTOS


Bodas de Ouro

Foi só na volta do cemitério, depois de meio século de vida conjugal, que o viúvo percebeu como se cometia um crime perfeito.

(in SALVADOR JANTA NO LAMAS - Editora José Olympio, 1989)

As Três Marias

Com a morte de Socorro, José respirou satisfeito: enfim, poderia casar-se com Prazeres. Com a morte de Prazeres, José respirou satisfeito: enfim, poderia casar-se com Graça. Com a morte de José, Graça respirou satisfeita: José tinha ficado um velho sem graça, sem prazeres, sem socorro.

[Alto da Página]

(in SALVADOR JANTA NO LAMAS - Editora José Olympio, 1989)


Relatividade em nome de Borges

Durante uma das primeiras apresentações da ópera Turandot, ocorreu um fato desconcertante. Quando o povo de Pequim, num coral soberbo, desejou dez mil anos de vida ao Imperador, ele interrompeu o espetáculo e mandou fuzilar todos os componentes do coro: há trezentos e sessenta e quatro dias, o monarca havia completado nove mil, novecentos e noventa e nove anos de idade.

(in O MUSEU DARBOT E OUTROS MISTéRIOS - Leviatã Publicações, 1994)

O Banquete

Foram três mil noites para três mil dores, mas assim que o enterro saiu, ela trancou a porta, assou o robalo e devorou-o entre as liberdades do vinho branco, pois era a melhor maneira de festejar a morte do marido e cicatrizar as feridas.

(in OS BANHEIROS - Editora Codecri, 1979)

O arquivo

No fim de um ano de trabalho, joão obteve uma redução de quinze por cento em seus vencimentos. joão era moço. Aquele era seu primeiro emprego. Não se mostrou orgulhoso, embora tenha sido um dos poucos contemplados. Afinal, esforçara-se. Não tivera uma só falta ou atraso. Limitou-se a sorrir, a agradecer ao chefe.
No dia seguinte, mudou-se para um quarto mais distante do centro da cidade. Com o salário reduzido, podia pagar um aluguel menor.
Passou a tomar duas conduções para chegar ao trabalho. No entanto, estava satisfeito. Acordava mais cedo, e isto parecia aumentar-lhe a disposição.
Dois anos mais tarde, veio outra recompensa.
O chefe chamou-o e lhe comunicou o segundo corte salarial.
Desta vez, a empresa atravessava um período excelente. A redução foi um pouco maior: dezessete por cento.
Novos sorrisos, novos agradecimentos, nova mudança.
Agora joão acordava às cinco da manhã. Esperava três conduções. Em compensação, comia menos. Ficou mais esbelto. Sua pele tornou-se menos rosada. O contentamento aumentou.
Prosseguiu a luta.
Porém, nos quatro anos seguintes, nada de extraordinário aconteceu.
joão preocupava-se. Perdia o sono, envenenado em intrigas de colegas invejosos. Odiava-os. Torturava-se com a incompreensão do chefe. Mas não desistia. Passou a trabalhar mais duas horas diárias.
Uma tarde, quase ao fim do expediente, foi chamado ao escritório principal.
Respirou descompassado.
— Seu joão. Nossa firma tem uma grande dívida com o senhor.
joão baixou a cabeça em sinal de modéstia.
— Sabemos de todos os seus esforços. É nosso desejo dar-lhe uma prova substancial de nosso reconhecimento.
O coração parava.
— Além de uma redução de dezesseis por cento em seu ordenado, resolvemos, na reunião de ontem, rebaixá-lo de posto.
A revelação deslumbrou-o. Todos sorriam.
— De hoje em diante, o senhor passará a auxiliar de contabilidade, com menos cinco dias de férias. Contente?
Radiante, joão gaguejou alguma coisa ininteligível, cumprimentou a diretoria, voltou ao trabalho.
Nesta noite, joão não pensou em nada. Dormiu pacífico, no silêncio do subúrbio.
Mais uma vez, mudou-se. Finalmente, deixara de jantar. O almoço reduzira-se a um sanduíche. Emagrecia, sentia-se mais leve, mais ágil. Não havia necessidade de muita roupa. Eliminara certas despesas inúteis, lavadeira, pensão.
Chegava em casa às onze da noite, levantava-se às três da madrugada. Esfarelava-se num trem e dois ônibus para garantir meia hora de antecedência. A vida foi passando, com novos prêmios.
Aos sessenta anos, o ordenado equivalia a dois por cento do inicial. O organismo acomodara-se à fome. Uma vez ou outra, saboreava alguma raiz das estradas. Dormia apenas quinze minutos. Não tinha mais problemas de moradia ou vestimenta. Vivia nos campos, entre árvores refrescantes, cobria-se com os farrapos de um lençol adquirido há muito tempo.
O corpo era um monte de rugas sorridentes.
Todos os dias, um caminhão anônimo transportava-o ao trabalho. Quando completou quarenta anos de serviço, foi convocado pela chefia:
— Seu joão. O senhor acaba de ter seu salário eliminado. Não haverá mais férias. E sua função, a partir de amanhã, será a de limpador de nossos sanitários.
O crânio seco comprimiu-se. Do olho amarelado, escorreu um líquido tênue. A boca tremeu, mas nada disse. Sentia-se cansado. Enfim, atingira todos os objetivos. Tentou sorrir:
— Agradeço tudo que fizeram em meu benefício. Mas desejo requerer minha aposentadoria.
O chefe não compreendeu:
— Mas seu joão, logo agora que o senhor está desassalariado? Por quê? Dentro de alguns meses terá de pagar a taxa inicial para permanecer em nosso quadro. Desprezar tudo isto? Quarenta anos de convívio? O senhor ainda está forte. Que acha?
A emoção impediu qualquer resposta.
joão afastou-se. O lábio murcho se estendeu. A pele enrijeceu, ficou lisa. A estatura regrediu. A cabeça se fundiu ao corpo. As formas desumanizaram-se, planas, compactas. Nos lados, havia duas arestas. Tornou-se cinzento.
João transformou-se num arquivo de metal.

Victor Giudice


Marina Colasanti

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Miguel e os demônios



       
Miguel e os Demônios é o quinto romance de Lourenço Mutarelli, segundo pela Companhia das Letras, sua nova casa. O autor começou nas HQ's, na década de 90, tendo como principal personagem o detetive Diomedes.


Em 2006 teve seu livro O Cheiro do Ralo adaptado para o cinema, e, para este mesmo formato, escreve agora Miguel e os Demônios, ou As delícias da desgraça. E é sobre a desgraça de um policial que o livro trata: Miguel, homem divorciado, volta a morar com o pai, namora uma manicure pobre e feia, e acaba se apaixonando de maneira fatal por um travesti.


Miguel sofre com as moscas e os remorsos de um "serviço por fora" que teve que cumprir: sumir com quatro jovens delinquentes a pedido dos donos de comércios da região. O assassinato dos garotos corrói a mente do policial, assim como as lembranças de um cadáver em putrefação de um cão que Miguel presenciou ainda quando criança.


Após conhecer o travesti, Miguel abandona a namorada, e passa a conviver com forças ocultas em sua vida, como o aparecimento repentino de uma múmia mexicana, uma possessão demoníaca e um voluptuoso desejo de matar um pedófilo da maneira mais cruel que puder. As forças que agem sobre Miguel são desconhecidas e muito além do seu controle.


Lourenço Mutarelli vem estudando a demonologia há certo tempo. Se em seu livro anterior, A Arte de Produzir Efeito Sem Causa, a presença das forças malignas somente é sugerida para quem acompanha o drama de Junior, neste livro a cena da possessão do Dr. Carlos, o delegado patrão de Miguel, não deixa dúvida sobre sua intenção de causar choque e arrebatamento no leitor.


O livro foi escrito como um roteiro de cinema. O leitor percebe as demarcações de fotografia e os cortes de cena capítulo a capítulo. Um grande desafio para o diretor e os atores: transformar esta narrativa noir em um longa-metragem digerível para o público, que agrida sua fé e suas convicções sobre a origem do Mal. Mas só um pouco, só o suficiente.
       
Acompanhe o blog do autor, no qual ele fala sobre possessão, seu retorno à bebida, sobre Willian Burroughs & outras leituras: www.lourencomutarelli.blogspot.com/


-----------------------------------------------------

Resenha/colaboração de Lucas de Sena Lima:








-----------------------------------------------------

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Estive em Lisboa e lembrei de você
























Estive em Lisboa e lembrei de você, de Luiz Ruffato, é o terceiro livro da série Amores Expressos, idealizada por Rodrigo Teixeira em parceria com a editora Companhia das Letras, cuja proposta é contar uma história de amor que tenha como pano de fundo uma das 17 cidades escolhidas pelos coordenadores do projeto. Nesta obra Ruffato opta por uma narrativa em primeira pessoa, como se fosse um diário escrito pelo personagem mineiro Sérgio, que decide deixar casamento e emprego mal-sucedidos para tentar ganhar a vida em Portugal.

Os longos parágrafos e orações revelam, na primeira parte do livro, os planos de sair do Brasil e voltar com dinheiro suficiente para comprar imóveis na pequena cidade de Cataguases (também cidade natal de Ruffato) e viver de renda, matando de inveja a todos os que um dia o maldisseram. Em alguns momentos, o excesso de descrição dos elementos da cidade, como nome de ruas, escolas e moradores torna a leitura enfadonha, principalmente para quem não a conhece. Entretanto, o autor consegue manter um ritmo equilibrado quando mistura relatos passados com o momento presente e prioriza os detalhes da viagem como o processo para tirar passaporte, quanto dinheiro levar, onde se hospedar e conseguir emprego, o que torna o texto mais fidedigno pois são preocupações reais de quem pensa em sair do país.

Ao chegar em Lisboa, Sérgio percebe que nada será tão fácil como imaginou e quem lê o livro pode quase sentir o arrependimento e o sentimento de frustração daquele imigrante na Europa, debaixo das cobertas num quarto de hotel, como narra o autor. Interessante notar que, no decorrer do livro, ocorre uma transformação de linguagem à medida que Sérgio, quando ainda está no Brasil, usa expressões tipicamente mineiras e no período que está em Lisboa sua fala muda aos poucos e passa a utilizar palavras portuguesas como puto (menino), autocarro (ônibus), entre outras, mesmo se tratando de um relato pessoal em que dialoga consigo mesmo.

Ruffato demonstra não estar tão preso à proposta do projeto, pois não aborda de forma clara nenhum relacionamento amoroso ou mesmo faz menções ao amor. Quem está acompanhado a série Amores Expressos, provavelmente ficará na dúvida se o amor é pela esposa louca e pelo filho pequeno que deixa no Brasil, pela cidade de Cataguases, pela prostituta com quem se envolve e a ajuda a ponto de perder seu passaporte ou por si mesmo, enquanto busca melhorar de vida, mesmo que para isso tenha que mudar de país.

Lucas Guedes

http://condussao.blogspot.com/

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Sobre Luiz Ruffato









Definição do escritor Luiz Ruffato a partir da leitura do ensaio Diligências num caleidoscópio, de Samanta Simões Braga.


"A linguagem parece ser o meio e o fim da narrativa de Luiz Ruffato, já que o realismo exacerbado de seu texto destaca-se mais pela forma do que pelo conteúdo que nos é apresentado. O autor constrói sua narrativa a partir de fragmentos da vida urbana, os quais, vistos em profundidade, separadamente, e depois em conjunto, viabiliza a compreensão do todo. " [Simei]


"Luiz Ruffato é comparado a um bricoleur, termo emprestado pela crítica ao “escritor que constrói seu texto a partir de fragmentos”. Sua literatura – apresentada no recorte do romance eles eram muito cavalos - caracteriza-se pelo registro não aleatório de imagens (cidade de SP), escolhidas por um olhar não detalhista, mas observador. Dessa forma, o autor consegue reorganizar conceitos da vida moderna reconstruindo seus significados. [Inês Viturino Barbosa]




terça-feira, 6 de outubro de 2009

Jogo de Cena





















































Um filme para nos ajudar a pensar os limites entre o real, o confessional e a ficção. Gênero em suspensão (ou sob suspeita), ruptura do pacto narrativo com quebras brechtianas. Documentário sobre a mulher, o fingimento, a verdade, o encenar, o mentir, o dissimular e o interpretar. Um anti big brother: a atriz no papel da anônima, a atriz exposta em sua carnalidade. Na simulação da dor alheia, a traição do espectador. Enganá-lo como arte de fazê-lo melhor ver. No final, poucas respostas, nenhum desvendamento. Pessoas se encenam, contam-se. "Narrativizamos" nossa história à maneira das telenovelas. O que cabe ao autor contemporâneo: o mergulho num subjetivismo que falseia? A construção de um outro personagem com que mostrar-se?


Eduardo de Araújo Teixeira


domingo, 4 de outubro de 2009

O filho da mãe, de Bernardo Carvalho

























“Não pode haver guerra sem mães”, diz Marina Bóndareva, uma das personagens-chave de “O Filho da Mãe”, o mais recente e comovente romance de Bernardo Carvalho. Marina milita no Comitê das Mães dos Soldados de São Petersburgo, uma organização humanitária, destinada a auxiliar, como diz o nome, mulheres russas em busca de seus filhos – presos, perdidos, desaparecidos ou mortos.

Um romance sobre mães e filhos na Rússia? O tema não causa espanto a quem acompanha a trajetória de Carvalho. O deslocamento territorial é um elemento essencial em sua prosa – uma espécie mesmo de bandeira, acredito, contra a literatura que se orgulha do seu caráter nacional, arraigada a brasileirismos ou regionalismos.

Para continuar lendo, clique AQUI.

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

ENTER - ANTOLOGIA DIGITAL
















[Projeto de Heloísa Buarque de Holanda que reúne novíssimos. Projeto excelente, imperdíveis]

segunda-feira, 27 de julho de 2009

Milton Hatoum















"Por trás de um grande escritor, há sempre uma grande bliblioteca."

Millôr Fernandes [?]



A cidade ilhada, de Milton Hatoum

Comecei e acabei assim, rapidinho, lendo os contos saltados, e anotando às margens com minha lapiseira 0.9. Gostei muito mais do que esperava, na contramão de seus romances. Uma escrita clássica, num ponto e noutro roçando o Gabriel Garcia Marquez dos Doze contos peregrinos, e umas maneiras de Borges, talvez a sobriedade. Manaus unipresente. Estrangeiros lá e aqui, mas sempre a Amazônia, e assim algo de exótico reverberando. Engenhosa habilidade de Hatoum de construir suspense e algum mistério. Num dos grandes contos: o que está em Machado de Assis (mas com desfecho mal resolvido) é bonito modo de Hatoum de arejar nos contos aquela tendência neo-regionalista que há em sua prosa. A fingida memória (familiar, no limite da crônica, mas e as palavras). Com ele, nada de brechtismo: sabe ele bem esconder o verso do bordado. Nele, tudo soa ponderado, mil vezes visto revisto. Literatura calculista? Literatura de fardão? Onde a espontaneidade, a seta certeira? E o tempo presente? (a quem interessar possa?) Todos os velhos críticos sossegados. Hatoum não quer inspirar paixão, é amor de esposa amantíssima, dona-de-casa honrada. Não puxa o tapete. Não foge com o vizinho. E eu ouso dizer que gostei até demais, pois tudo é belo (porque sem sobressalto), tudo amorável até no que lhe falta: aquele quê de transcendência que fazia dos poetas e prosadores mais antigos uma espécie de milagre.



Contos:

Varandas de Eva
Uma estrangeira da nossa rua
Uma carta de Brancroft
Um oriental na vastidão
Dois poetas da província
O adeus do comandante
Manaus, Bombaim, Palo Alto
Dois tempos
A casa ilhada
Bárbara no inverno
A ninfa do teatro Amazonas
A natureza ri da cultura
Encontros na península
Dançarinos na última noite.

A cidade ilhada. Milton Hatoum. Cia das Letras. 2009.

Do rigor na Ciência














Naquele Império, a Arte da Cartografia atingiu uma tal perfeição que o mapa duma só Província ocupava toda uma Cidade, e o mapa do Império, toda uma Província. Com o tempo, esses Mapas Desmedidos não satisfizeram e os Colégios de Cartógrafos levantaram um Mapa do Império que tinha o tamanho do Império e coincidia ponto por ponto com ele. Menos Apegadas ao Estudo da Cartografia, as Gerações Seguintes entenderam que esse extenso Mapa era Inútil e não sem Impiedade o entregaram às inclemências do Sol e dos Invernos. Nos Desertos do Oeste subsistem despedaçadas Ruínas do Mapa, habitadas por Animais e por Mendigos. Em todo o País não resta outra relíquia das disciplinas geográficas”. [Suárez Miranda: Viagens de Varões Prudentes, livro quarto, cap. XIV, Lérida, 1658. Fragmento selecionado por Jorge Luis Borges, "Do Rigor na Ciência", in "História Universal da Infâmia", tradução Flávio José Cardozo, Porto Alegre, Globo, 1978]

quinta-feira, 16 de julho de 2009

Entrevista Ivana Arruda Leite


Ivana Arruda Leite

A cidade ilhada, de Milton Hatoum


Vídeo promocional sobre livro de contos de Milton Hatoum, "A cidade ilhada".

A arte de produzir efeito sem causa - Lourenço Mutarelli


Vídeo promocional do livro de Lourenço Mutarelli.

"O Gato Diz Adeus", de Michel Laub


Vídeo pormocional de literatura da Cia das Letras, sobre romance de Michel Laub, O gato diz adeus.

Entrevista de Bernardo Carvalho


Apresentação do livro O filho da mãe, de Bernardo Carvalho (Projeto "Amores Expressos")

Entrevista com Daniel Galera


Encontros de Interrogação - Itaú Cultural

Entrevista com Marçal Aquino


Encontros de Interrogação - Itaú Cultural

Entrevista com Luiz Ruffato


Encontros de Interrogação - Itaú Cultural

ENCERRAMENTO

O curso encerrou, mas o blog continua. Em breve, postagem de alguns trabalhos desenvolvidos no curso e outras participações.

Eduardo Araújo

Entrevista de Cíntia Moscovitch



Vídeo enviado por email e postado por indicação de Silvana S.C.Cardozo

terça-feira, 23 de junho de 2009

Entrevista com Ivana Arruda Leite

Entrevista da escritora Ivana Arruda Leito com Mona Dorf, por ocasição do lançamento de seu novo livro. Clique no link.


domingo, 21 de junho de 2009

Valêncio Xavier








































Link para o conto

Valêncio Xavier, matéria da Folha

05/12/2008 - 17h16
Escritor Valêncio Xavier morre aos 75 anos em Curitiba,

Clique AQUI.

Contemporâneos, segundo Massaud Moisés

Clique AQUI

Nelson de Oliveira















Nelson de Oliveira nasceu em 1966, em Guaíra, SP. Escritor e doutorando em Letras pela USP, publicou mais de vinte livros para adultos e crianças, entre eles Naquela época tínhamos um gato (contos, 1998), Subsolo infinito (romance, 2000), O filho do Crucificado (contos, 2001, também lançado no México), A maldição do macho (romance, 2002, publicado também em Portugal), Verdades provisórias (ensaios, 2003) e O oitavo dia da semana (romance, 2005). Em 2001 organizou a antologia Geração 90: manuscritos de computador e em 2003, com os melhores prosadores brasileiros surgidos no final do século XX. Desde 2003 coordena oficinas de criação literária para escritores diletantes, com obra ainda em formação, e pessoas interessadas em aprimorar suas habilidades no uso da linguagem literária. Colabora regularmente com o jornal Rascunho (PR) e com o caderno Idéias & Livros, do Jornal do Brasil (RJ). Dos prêmios que recebeu destacam-se o Casa de las Américas (1995), o da Fundação Cultural da Bahia (1996) e duas vezes o da APCA (2001 e 2003).

Naquela época tínhamos um gato

Mas não o suportávamos. Ele cagava por toda a parte, fazia ruídos a noite toda, esparramava o lixo na calçada e arranhava as almofadas do sofá. Por isso, nos livramos dele e compramos um cão.
Era um fox-terrier branco e saudável.
No primeiro dia em que o vimos, ele nos pareceu tão belo e atraente, tão orgânico, tão cheio de si e de promessas que imediatamente toda a família, em silêncio — quase um pacto de sangue —, jurou tolerar, nele, tudo aquilo que não havíamos tolerado no gato, todos os seus possíveis excessos, manias e atavismos. Mais do que isso, nós, a partir de então, passamos a desejá-lo exatamente assim: nu, sem coleira nem regras.
Nós o amávamos e o alimentávamos. Às vezes nós o colocávamos numa grande caixa de papelão e o levávamos conosco, naqueles deliciosos passeios pelo campo que nossa família costumava organizar nos fins de semana, a cada verão. Também lhe dávamos banho todas as segundas-feiras, religiosamente, após intermináveis sessões profiláticas sentados ao sol, quando procurávamos e eliminávamos as eventuais pulgas do seu pêlo, conforme instruções do veterinário.
Fazíamos tudo isso, mas, mesmo assim, ele se recusava a nos amar, a nos seguir pelas ruas do nosso bairro, a uivar para a lua em noites de lua cheia, a perseguir os cães menores e a rosnar diante de visitas e estranhos, como todo cão costuma fazer.
Seu nome era Sansão e seus olhos eram suaves e, ao mesmo tempo, ariscos, como os de um patriarca chinês.
Jamais ouvimos o seu latido durante todo o tempo em que viveu conosco. Jamais o ouvimos arrastar meias e chinelos pelas escadas, ou chafurdar na terra úmida do jardim após uma noite de chuva, ou urinar nos cantos da cozinha, ou derrubar os vasos e quebrar potes de porcelana também, coisas tão corriqueiras na vida de qualquer cão.
Pior do que isso. Além de um comportamento pouco ortodoxo, Sansão ainda possuía o inconveniente hábito de perscrutar nossas almas, de avaliar o quanto de irrequieta beleza conduzíamos em nosso interior.
Freqüentemente, durante uma conversa reservada com meu pai, ou com qualquer outro membro mais próximo da família, imaginando estarmos a sós, a portas trancadas, de repente pressentíamos um observador inoportuno analisando nossos sentimentos, nossos segredos, aquilo que de mais precioso trazemos dentro de nós. Bastava olhar sobre os nossos ombros para descobrir a acanhada presença de um cão, meio oculto na sombra de uma estante, feliz por participar de um acontecimento tão íntimo, tão particular.
Era como se ele possuísse o dom de transpor portas e paredes, apenas com a força do pensamento.
Ele existia, era sólido e palpável, mas os olhos apresentavam uma coloração terrivelmente alucinada e transparente, como se neles, mergulhado em suas pupilas quase pré-históricas, estivesse presente, muito bem aprisionado, um reflexo claro e detalhado do dilúvio universal — a catástrofe da vida, borbulhando a mais de cem graus centígrados.
Mas isso não era fácil de ser percebido, não.
Poucos de nossa família possuíam paciência e desprendimento suficientes para chegar a essa incrível porém simples constatação. Apenas quando olhávamos fixamente dentro de seus olhos, sem piscar, sem desviar um milímetro sequer do nosso ponto de interesse, por horas a fio, é que percebíamos neles o início dos tempos, a formação do céu e da terra. Durante essa procura, os pensamentos iam fluindo livremente e, ao mesmo tempo, apaziguando-se. O despertar sobrevinha, ao que parece, após uma certa fadiga do pensamento, de um desamparo finalmente aceito e assumido pelas nossas mentes. Então, tudo se iluminava e o nosso cão deixava de ser um acessório, uma parte indesejada da mobília.
Finalmente percebíamos a sua real presença entre nós.
Era a verdadeira revelação da sua essência, uma substância abstrata e dinâmica. Nela, nos perdíamos e nos deleitávamos. Por ela valia a pena suportar tudo o mais, a ausência de um latido nas manhãs de domingo, de um chinelo arrastado através da sala, de uma almofada cheia de incisões, de um passeio pelas ruas.
Todavia, bastava nos distrairmos só por um segundo e — zás! — imediatamente tudo se desvanecia diante dos nossos olhos. As sagradas escrituras e a nossa completa compreensão delas eram substituídas, no ato, pelas patéticas feições de um cão.
Ele, no mesmo instante, dava meia-volta e se recolhia em sua cesta acolchoada, sem ao menos se despedir, sem sequer, por meio de um aceno com as orelhas, com o rabo, dizer, sei o que estão sentindo, sinto o que vocês sentem, somos irmãos na dor e no conhecimento, na ilusão e no despertar, deixando, em cada um de nós, a desagradável impressão de que, talvez, um periquito teria sido bem melhor.

Nelson de Oliveira

Luís Vilela

Vilela

Noite feliz

Entre, Pai. Entre, Mãe. Entre, Joaquim. Vô Zeca. Vó Mariquinha. Tio Nunes. Rosa. Que bom, que bom que vocês vieram - eu estou tão feliz. Vai ser uma noite linda. Vai ser a noite mais bela de todas. Vamos, sentem, ocupem seus lugares.
E o Pretinho? Por que o Pretinho não veio? Você também devia ter vindo, Pretinho. Aí eu te pegava e te punha no colo - você era tão macio, tão quentinho. Miau... miau... Que saudades, Pretinho...
Sentem, sentem. A senhora está tão bonita com esse vestido, Mãe. Vô, o senhor não larga seu cigarrão de palha, hem? E o senhor, Tio Nunes, cuidado, não vai contar aquelas piadas bobagentas. Vó Mariquinha, sabe que a senhora fica muito elegante com esse coque? E a Rosa? Sempre com esse sorriso... Joaquim, quantos anos, hem? Quantos anos... Muita água passou debaixo da ponte...
E o senhor, Pai? O senhor está tão sério; tão calado. Por que o senhor me olha assim? Por que o senhor não fala nada comigo? Fale, Pai; fale alguma coisa. Não fique me olhando assim. Vocês todos, parem de me olhar desse jeito. Por favor. Meu Deus, meu Deus... Tem dó de mim... Eu não queria isso, juro que eu não queria...
Não! Não e não! Onde está sua fibra, menina? Minha fibra? Minha fibra está aqui - ora, bolas. Pensaram que eu fosse fraquejar? Pois estão muito enganados. Quem vos fala é a Aristotelina - a Lina. Há meses que eu venho planejando essa noite; pensam que eu vou desistir agora? Nunca.
Será uma noite única. Será uma noite sem igual. Nem todas as luzes de todas as casas juntas da cidade brilharão mais do que esta casa nesta noite de Natal. Nem todas as luzes de todas as ruas... Ai, Lina, você é impagável; parece que você nunca saiu do palco. Não saí mesmo: você sabe, uma vez atriz...
Joaquim, lembra daquele Natal em que eu te pedi uma porção de lâmpadas - eu ia iluminar toda a casa, ia fazer um colar de lâmpadas - e aí você me trouxe... Ah, meu Deus... Você me trouxe meia dúzia, Joaquim, meia dúzia de lâmpadas! Então eu falei: o que eu vou fazer com meia dúzia de lâmpadas? O que eu vou fazer? Aí você... Você falou... Eu não lembro... O que você falou?... Eu não lembro... Minha memória... Minha cabeça...
Noite feliz, noite feliz, o Senhor, Deus de amor, pobrezinho, nasceu em Belém. Não foi fácil: cada garrafa, um posto. Naquele maior, o sujeito: para quê? Eu: não é da sua conta. Ele: se eu não souber, eu não posso vender. Eu, então: é para tirar a cera do assoalho, assoalho de tábuas, casa antiga. Antipático. Depois, no último posto, o rapazinho: e aí, vó, vai virar motorista agora? Vou, eu vou fazer uma viagem pro céu. Então me leva com você, que a coisa aqui na terra tá braba. Mas ele foi gentil, ele foi atencioso.
Os sinos, eles estão batendo. Missa da meia-noite. Onze e quarenta e cinco. Quinze minutos. Nunca houve ninguém tão só. Nunca alguém, nesse mundo, se sentiu tão só. Nem se eu estivesse - só eu, só eu de gente - nem se eu estivesse lá num deserto de Marte ou lá numa cratera da Lua. Se o telefone tocasse. Se o telefone tocasse, talvez...
Chega. É hora. A meia-noite se aproxima. Vamos. Noite feliz, noite feliz, o Senhor... Uma garrafa aqui; assim. Outra aqui... Agora essa... Mais essa... E essa... Pronto. Que cheiro forte... Podia ser o cheiro de jasmim que antigamente, nas noites de verão, entrava pela janela aberta e inundava esta sala onde todos nos reuníamos e conversávamos e éramos felizes...
Meia-noite. Pego esta caixa; tiro um fósforo; risco e... Eis! O fogo!

Luiz Vilela

quarta-feira, 10 de junho de 2009

O maníaco do olho verde, de Dalton Trevisan


























Houve, no decurso do século XX, um considerável incremento na importância dada aos meandros do processo constitutivo de esferas cotidianas - universos particulares construídos a partir de inter-relações lingüístico-econômico-culturais - como componentes indeléveis na elaboração do discurso histórico de um determinado povo ou recorte temporal. Isso quando o próprio foco de análise não repousa sobre uma dessas esferas.

É justamente sobre as idiossincrasias dessa teia de universos que se debruça Dalton Trevisan em seu mais novo livro: O Maníaco do Olho Verde. Através dos 26 contos que compõem o volume, o leitor tomará caso com as querelas de um viciado em craque, imerso, por dívida, na criminalidade; às investidas sequiosas de um padrastro tarado; os malogros de um fulano que se envolve com a ex-mulher de um policial, entre outras desgraças possíveis. A condição de desgraça eminente parece, na verdade, conferir alguma unidade às histórias postas, que tratadas com a devida dose de escárnio, se isentam de qualquer busca de pureza através da sobreposição de elementos sórdidos, comuns às investidas de tal natureza.











Aristóteles

Poética, de Aristóteles

Clarice Lispector

Link para alguns livros online.

PARA ENCONTRAR EBOOKS

























[Encontrei este link fuçando no google. Não sei se está ativo, mas fica a dica.]

Márcia Denser
















LISTA DOS MELHORES LIVROS DE CONTOS

Por Márcia Denser

Uma revista pediu a vinte escritores brasileiros (eu incluída) a lista dos dez melhores livros de contos. Escritos em qualquer época, em qualquer língua. No fundo é aquela bibliografia de sustentação do escritor - os livros que ele relê – e que possui um caráter quase imutável, permanente, eterno. Falando francamente nem sempre posso atender a esse tipo de solicitação – e para mim já são muitas, vocês nem imaginam – contudo alguma mola secreta deve ter sido acionada porque parei, pensei puxa, dez livros de contos? eu me amarro em livros de contos! De forma que uma hora depois estava feito.

A lista:

1 - Todos os Fogos, o Fogo de Júlio Cortázar.
Este livro é a suma da contística cortazariana - e JC contista se insere entre os melhores do mundo na literatura contemporânea – sobretudo quanto ao exercício duma técnica refinadíssima posta a serviço da originalidade, o que dá textos como A auto-estada do sul, Senhorita Cora, A Ilha do Meio-Dia, o conto título.
2 - Ficções de Jorge Luís Borges.
Bom, este é outro. Suma da contística borgiana que, por sua vez, é um dos melhores do mundo, etc. Maravilha da ficção posto que escrita em forma de ensaios. Apócrifos. Hilariantes. Impagáveis. Divinos.
3 - Música Para Camaleões de Truman Capote.
Neste livro, TC, talvez sem o saber (sem premeditar), dá o melhor de si, confiramMojave, Pequenos Ataúdes,Um dia de trabalho ou Olá, Desconhecido: simplesmente brilhantes!
4 - Nove Histórias de J.D. Salinger.
Quando se é mais jovem, mais inexperiente, se gosta mais. Depois, hum, nem tanto. Salinger tem umas obsessões, umas exclusões, um jeito ianque e judeu demais de ser mascarado. Mas continua terrivelmente eficiente, podem apostar. Irretocável. Foi a "tecnologia do futuro" em matéria de diálogos. Ainda é. Foi também a evolução de Hemingway que, devido a J.D., saiu da minha lista.
5 - Feliz Ano Novo de Rubem Fonseca.
Zé Rubem é, de longe, o grande contista brasileiro contemporâneo. Beneficiando-se da leitura acumulada dos"tough writers" - os escritores durões - constitui o esplendor da nossa prosa urbana em sua intensidade máxima. A merda que, graças ao mercado editorial, depois só produziu romances idiotas, vazios, tijolaços cheios de nada. Desses que só servem para escorar os outros livros na estante. Meu Zé, meu Rubem.

6 - O Aleph de Jorge Luís Borges.
Por que nessa coletânea se inclui aquele que considero a obra-prima de JLB: O Imortal.
7 - Três Contos de Gustave Flaubert.
A leitura de Herodíade é absolutamente necessária para qualquer um que se julgue escritor.
8 - Alguém Que Anda Por Aí de Júlio Cortázar.
Um dos últimos do grande mestre. Experimente Queríamos tanto a Glenda e o conto título. Dum refinamento abissal.
9 - Notas da Arrebentação de Marcelo Mirisola.
Mirisola é o grande prosador brasileiro que surge nos anos 90, genial, intuitivo. Sua proeza maior? Elevar o clichê, o banal, todo o lixo verbal produzido pela cultura de mercado à categoria de fenômeno estético. Por mim, o sujeito já podia quebrar o lápis e parar!
10 - Histórias dos Mares do Sul de Somerset Maugham.
Para quem gosta de literatura, a escolha é óbvia. Pensem em Chuva, Mackintosh,Honolulu! Mas para quem não gosta, azar, não vou ter saco de explicar!

Muita gente vai estranhar as ausências de William Faulkner – meu favorito mas um desastre como contista – e James Joyce por Retrato dum artista quando jovem, seu único livro de contos – que não inclui mesmo porque não quero me fazer de besta, nem posar de culta.

Caio Fernando Abreu


















Encontrei na internet este link para baixar o livro de Caio Fernando Abreu, Os dragões não conhecem o paraíso. Obviamente aconselho a comprá-lo (impossível não encontrar algum livro do Caio Fernando Abreu em um sebo. Prefira os contos, sempre.). Neste livro está "Linda, uma história horível", e está um conto muito bonito que indico a quem irá analisar o autor: "Mel & girassóis".



Daniel Galera

























Para baixar o livro de contos, Dentes Guardados, de Daniel Galera, há vários links. Basta clicar abaixo. O formato é .pdf.


terça-feira, 2 de junho de 2009

Amor cristão

























Amor é a mordida de um cachorro pitbull que levou a coxa da Laurinha e a bochecha do Felipe. Amor que não larga. Na raça. Amor que pesa uma tonelada. Amor que deixa. Como todo grande amor. A sua marca.

Amor é o tiro que deram no peito do filho da dona Madalena. E o peito do menino ficou parecendo uma flor. Até a polícia chegar e levar tudo embora. Demorou. Amor que mata. Amor que não tem pena.

Amor é você esconder a arma em um buquê de rosas. E oferecer ao primeiro que aparecer. De carro importado. De vidro fumê. Nada de beijo. Amor é dar um tiro no ente querido se ele tentar correr.

Amor é o bife acebolado que a minha mulher fez para aquele pentelho comer. Filhinho de papai. Lá no cativeiro. Por mim ele morria seco. Mas sabe como é. Coração de mãe não gosta de ver ninguém sofrer.

Amor é o que passa na televisão. Bomba no Iraque. Discussão de reconstrução. Pois é. Só o amor constrói. Edifícios. Condomínios fechados. E bancos. O amor invade. O amor é também o nosso plano de ocupação.

Amor que liberta. Meu irmão. Amor que sobe. Desce o morro. Amor que toma a praça. Amor que de repente nos assalta. Sem explicação. Amor salvador. Cristo mesmo quem nos ensinou. Se não houver sangue. Meu filho. Não é amor.

[in Rasif – mar que arrebenta, de Marcelino Freire, Editora Record, 2008.]

"Para Iemanjá"


in Rasif, mar que arrebenta.

[Marcelino Freire lê o conto/oração que abre o livro Rasif, mar que arrebenta, de 2008.]

"Belinha"

"Mataram o salva-vidas"



in Angu de sangue.

[O autor, Marcelino Freire lê seu conto "Mataram o salva-vidas"]

"Homo erectus"


in BaléRalé, de Marcelino Freire

[Animação feita por Rodrigo Burdman num conto de Marcelino Freire. Locução de Paulo César Pereio. São Paulo, Brasil 2009]

"Trabalhadores do Brasil"

"Totonha"


in Contos negreiros, de Marcelino Freire.

[Marcelino Freire lê "Totonha", conto do seu livro vencedor do Jabuti, Contos negreiros.

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Clarice Lispector

Ele me bebeu

É. Aconteceu mesmo.

Serjoca era maquilador de mulheres. Mas não queria nada com mulheres. Queria homens.

E maquilava Aurélia Nascimento. Aurélia era bonita e, maquilada, ficava deslumbrante. Era loura, usava peruca e cílios postiços. Ficaram amigos. Saíam juntos, essa coisa de ir jantar em boates.

Todas as vezes que Aurélia queria ficar linda ligava para Serjoca. Serjoca também era bonito. Era magro e alto.

E assim corriam as coisas. Um telefonema e marcavam encontro. Ela se vestia bem, era caprichada. Usava lentes de contato. E seios postiços. Mas os seus mesmos era lindos, pontudos. Só usava os postiços porque tinha pouco busto. Sua boca era um botão de vermelha rosa. E os dentes grandes, brancos.

Um dia, às seis horas da tarde, na hora do pior trânsito, Aurélia e Serjoca estavam em pé junto do Copacabana Palace e esperavam inutilmente um táxi. Serjoca, de cansaço, encostara-se numa árvore. Aurélia impaciente. Sugeriu que dessem ao porteiro dez cruzeiros para que ele lhes arranjasse uma condução. Serjoca negou: era duro para soltar dinheiro.

Eram quase sete horas. Escurecia. O que fazer?

Perto deles estava Affonso Carvalho. Industrial de metalurgia. Esperava o seu Mercedes com chofer. Fazia calor, o carro era refrigerado, tinha telefone e geladeira. Affonso fizera quarenta anos no dia anterior.

Viu a impaciência de Aurélia que batia com os pés na calçada. Interessante essa mulher, pensou Affonso. E quer carro. Dirigiu-se a ela:

- A senhorita está achando dificuldade de condução?

- Estou aqui desde as seis horas e nada de um táxi passar e nos pegar! Já não agüento mais.

- Meu chofer vem daqui a pouco, disse Affonso. Posso levá-los a alguma parte?

- Eu lhe agradeceria muito, inclusive porque estou com dor no pé.

Mas não disse que tinha calos. Escondeu o defeito. Estava maquiladíssima e olhou com desejo o homem. Serjoca muito calado.

Afinal veio o chofer, desceu, abriu a porta do carro. Entraram os três. Ela na frente, ao lado do chofer, os dois atrás. Tirou discretamente o sapato e suspirou de alívio.

- Para onde vocês querem ir?

- Não temos propriamente destino, disse Aurélia cada vez mais acesa pela cara máscula de Affonso.

Ele disse:

- E se fôssemos ao Number One tomar um drinque?

- Eu adoraria, disse Aurélia. Você não gostaria, Serjoca?

- É claro, preciso de uma bebida forte.

Então foram para a boate, a essa hora quase vazia. E conversaram. Affonso falou de metalurgia. Os outros dois não entendiam nada. Mas fingiam entender. Era tedioso. Mas Affonso estava entusiasmado e, embaixo da mesa, encostou o pé no pé de Aurélia. Justo no pé que tinha calo. Ela correspondeu, excitada. Aí Affonso disse:

- E se fôssemos jantar na minha casa? Tenho hoje escargots e frango com trufas. Que tal?

- Estou esfaimada.

E Serjoca mudo. Estava também aceso por Affonso.

O apartamento era atapetado de branco e lá havia escultura de Bruno Giorgi. Sentaram-se, tomaram outro drinque e foram para a sala de jantar. Mesa de jacarandá. Garçom servindo à esquerda. Serjoca não sabia comer escargots e atrapalhou-se todo com os talheres especiais. Não gostou. Mas Aurélia gostou muito, se bem que tivesse medo de ter hálito de alho. Mas beberam champanha francesa durante o jantar todo. Ninguém quis sobremesa, queriam apenas café.

E foram para a sala. Aí Serjoca se animou. E começou a falar que não acabava mais. Lançava olhos lânguidos para o industrial. Este ficou espantado com a eloqüência do rapaz bonito. No dia seguinte telefonaria para Aurélia para lhe dizer: o Serjoca é um amor de pessoa.

E marcaram novo encontro. Destava vez num restaurante, o Albamar. Comeram ostras para comerçar. De novo Serjoca teve dificuldade de comer as ostras. Sou um errado, pensou.

mas antes de se encontrarem, Aurélia telefonou para Serjoca: precisava de maquilagem urgente. Ele foi à sua casa.

Então, enquanto era maquilada, pensou: Serjoca está me tirando o rosto.

A impressão era que ele apagava os seus traços: vazia, uma cara só de carne. Carne morena.

Sentiu mal-estar. Pediu licença e foi ao banheiro para se olhar ao espelho. Era isso mesmo que ela imaginara: Serjoca tinha anulado o seu rosto. Mesmo os ossos - e tinha uma ossatura espetacular - mesmo os ossos tinham desaparecido. Ele está me bebendo, pensou, ele vai me destruir. E é por causa do Affonso.

Voltou sem graça. No restaurante quase não falou. Affonso falava mais com Serjoca, mal olhava para Aurélia: estava interessado no rapaz.

Enfim, enfim acabou o almoço.

Serjoca marcou encontro com Affonso para de noite, Aurélia disse que não podia ir, estava cansada. Era mentira: não ia porque não tinha cara para mostrar.

Chegou em casa, tomou um banho de imersão com espuma, ficou pensando: daqui a pouco ele me tira o corpo também. O que fazer para recuperar o que fora seu? A sua individualidade?

Saiu da banheira pensativa. Enxugou-se com uma toalha enorme, vermelha. Sempre pensativa. Pesou-se na balança: estava com bom peso. Daí a pouco ele me tira também o peso, pensou.

Foi ao espelho. Olhou-se profundamente. Mas ela não era mais nada.

- Então - então de súbito deu uma bruta bofetada no lado esquerdo do rosto. Para se acordar. Ficou parada olhando-se. E, como se não bastasse, deu mais duas bofetadas na cara. Para encontrar-se.

E realmente aconteceu.

No espelho viu enfim um rosto humano, triste, delicado. Ela era Aurélia Nascimento. Acabara de nascer. Nas-ci-men-to.

Clarice Lispector


in A via-crucis do corpo

Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea

Estudando os contistas pós-utopicos ou as novas formas
da Literatura Brasileira.

Seguidores